REPRESENTAÇÕES DE SI DE ADOLESCENTES COM INDÍCIOS DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO: UM ESTUDO NO CAMPO DA PSICOLOGIA DA MORALIDADE

Andréia Mansk Boone Salles, Heloisa Moulin de Alencar

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo conhecer as representações de si e seus motivos de 40 adolescentes com indícios das altas habilidades/superdotação, entre 14 e 18 anos, divididos igualmente quanto ao sexo e o tipo de superdotação (escolar ou criativo-produtiva). Para tanto, perguntamos, por meio do método clínico piagetiano, o que cada participante admirava em si mesmo e a justificativa para cada resposta apresentada. Foram mencionadas 134 imagens de si, com destaque para os temas ‘características da personalidade’, ‘habilidades interpessoais’, ‘habilidades cognitivas’ e ‘dimensão moral’. As justificativas exibiram, com proporções similares, tanto conteúdos individualistas, ligados à autoestima e ao hedonismo, quanto conteúdos das perspectivas moral e ética, relacionados com o autorrespeito, os valores morais e a coexistência com o outro em sociedade de instituições justas. Por fim, esperamos que nosso estudo motive ações psicopedagógicas que promovam as representações de si positivas e possibilitem a expansão de si próprio no mundo dos discentes, assim como, coopere para a formação de uma sociedade guiada pela ética e pela moral.


Palavras-chave


representações de si positivas; altas habilidades/superdotação; psicologia da moralidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.