CARACTERIZAÇÃO DOS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA SUBMETIDOS À HEMODIÁLISE

Nauã Rodrigues de Souza, Daniela de Aquino Freire, Ayla Maria Floriano Lopes de Souza, Dayane de Souza Lima, Cibelly de Souza Brandão, Viviane de Souza Brandão Lima

Resumo


Os pacientes acometidos com Insuficiência Renal Aguda (IRA) internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) têm mortalidade e perfil epidemiológico diferenciados dos pacientes internados em enfermarias. Objetivou-se com este estudo traçar o perfil dos pacientes com IRA submetidos à hemodiálise. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, retrospectivo de natureza quantitativa, com coleta de dados em prontuários. A amostra foi obtida através da consulta de 37 prontuários dos pacientes internados na UTI do Hospital do interior de Pernambuco no período de julho a dezembro de 2014. A faixa etária predominante da população estudada foi de 65 anos (57%), sendo 62% do sexo masculino. As principais comorbidades foram o diabetes mellitus 48,64% e a hipertensão arterial 45,94%. Em relação ao diagnóstico de admissão a IRA foi mais prevalente com 37,83%, seguido pela doença crônica renal agudizada com 21,62%. O tempo de permanência no tratamento hemodialítico foi de 1 a 5 dias. Identificou que 57% dos pacientes não apresentaram intercorrência durante as sessões de hemodiálise, enquanto que 43% apresentaram, sendo a hipotensão arterial a intercorrência prevalecente (68,75%). A mortalidade da IRA dialítica se mostrou inferior à maioria dos estudos realizados desta natureza com índice de 35% sendo o Choque Cardiogênico e o Choque Séptico as causas de óbito que mais prevaleceram com 31% cada. Através dessas informações verificou a importância da enfermagem na prevenção da IRA e durante as sessões dialíticas na identificação de ocorrências das complicações.


Palavras-chave


Insuficiência Renal. Diálise. UTI.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.