A MENINA D'ÁGUA: UM CASO CLÍNICO À LUZ DA PSICANÁLISE

Karem Pollyana Pereira Neves de Barros

Resumo


O presente artigo propõe-se a relatar o caso clínico, à luz da perspectiva psicanalítica, de uma menina de pouco mais de dois anos de idade que tinha a hidrocefalia marcando a sua existência. A analisante estava colada à sua mãe pelo significante água (hidro), numa relação simbiótica na qual participava de um pacto inconsciente com o Outro materno, de responder ao desejo deste, funcionando, assim, como seu objeto fálico fantasmático. O processo analítico incluiu a presença das figuras parentais, que foram escutadas analiticamente. Na análise, a partir da mediação da função paterna, a Menina D'água pode ter a possibilidade de ir elaborando a separação simbólica da mãe, libertando-se do gozo materno, se inscrevendo num significante do Nome-do-Pai e, enfim, constituindo-se enquanto sujeito do desejo.

Palavras-chave: Clínica Psicanalítica Infantil. Relação Simbiótica Mãe-Criança. Função Paterna. Separação Simbólica.

Palavras-chave


Clínica Psicanalítica Infantil; Relação Simbiótica Mãe-Criança; Função Paterna; Separação Simbólica

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.